Bonecos de Santo Aleixo

Em 1981, começou no CENDREV o processo que levou à recuperação deste inestimável exemplar do teatro popular de bonecos do Alentejo. O processo foi, inicialmente, conduzido pelo Mestre António Talhinhas, o último titeriteiro tradicional que com eles trabalhou mais de quarenta anos. A sua presença revelou-se determinante no processo de recolha e fixação de todo o repertório e na aprendizagem da realização do espectáculo – desde a manipulação e circulação dos bonecos, às características próprias de cada personagem e à dimensão musical do espectáculo, cujo acompanhamento é assegurado ao vivo por uma guitarra portuguesa.

A experiência mantida ao longo destes anos com as viagens dos Bonecos um pouco por todo o mundo, o estudo e investigação entretanto realizados e publicados sobre diferentes aspectos deste teatro de títeres e o trabalho realizado a partir de uma cidade classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, constituem elementos da maior importância para a valorização deste importante espólio da nossa cultura popular.

Já vão longe os tempos em que, no Alentejo, o teatro dos títeres era uma das poucas diversões das gentes destes lugares

Ainda assim, a verdade é que os bonecos não perderam o brilho e continuam a encantar o público na aldeia de Santo Aleixo que lhes deu o nome, onde a memória destas “figuras de pau” ainda alimenta conversas, mas também em muitos cantos do mundo onde a magia do espectáculo parece até fazer esquecer a barreira da própria língua.

 

ACTORES-MANIPULADORES: Ana Meira, Gil Salgueiro Nave, Isabel Bilou, José Russo, Victor Zambujo

ACOMPANHAMENTO MUSICAL: Gil Salgueiro Nave